Causos – COISAS DE CONDEÚBA

COISAS DE CONDEÚBA Cassinho e Pretinho em um negocinho de amiguinho. Festa na AABB, grito de carnaval – você conhece alguma coisa mais antiga? – Nem eu. Nas festas da AABB o bar é de responsabilidade ou irresponsabilidade de Pretinho e a tradição manda que não se venda fiado, bastam as contas penduradas do dia-a-dia. No sábado de carnaval não foi diferente. Lá pelas tantas chega nosso amigo Cassinho de Otaviano no caixa e pede duas fichas para refrigerantes. Pretinho entrega e vai logo dizendo:  - Cau, hoje não tem fiado, só no dinheiro. Cassinho responde: Aí  tá difícil, eu não sabia, tô sem nada, mas faz assim: Você me empresta cinquentinha, eu pago as fichas e depois nóis acerta. Pretinho: Então tá certo, tá aqui os cinqüentão. (Pra quem pede emprestado é sempre no diminutivo, para quem empresta é sempre no aumentativo) Cassinho pega as fichas, entrega o dinheiro que veio do próprio caixa de Pretinho e diz: Ói, aproveita, cobra as fichas e cobra também uma conta que estou devendo aí na AABB de trinta reais e me dá o troco. Assim Pretinho o fez: devolveu o troco de doze reais. Cau olha para as fichas e para o troco em sua mão e diz: Eu não tinha nenhum dinheiro, agora comprei e paguei os refri, paguei minha conta e ainda tô com doze reais. Ainda dizem que não existe milagre! Sr. Remigio, Os meninos e pneu furado. O Sr. Remigio tinha uma Brasília bege, que ele comprou zerada. Um dia em Conquista dois garotos de Condeúba, filhos de amigos do Sr. Remigio, pediu a ele a Brasília para dar uma volta e o Sr. Remigio deu, mas falou: voltem logo, não demorem. Isso era meio dia. Lá pelas seis horas da tarde, os meninos chegaram e o Sr. Remigio já chateado com a demora foi logo falando: O que houve, não pedi para que fosse uma voltinha rápida? Entre os garotos tinha um bom de conversa e foi logo se desculpando: Sr. Remigio nos desculpe, mas é que furou um pneu e a gente demorou de achar uma borracharia. Sr. Remigio falou: Então tá certo, qual foi o pneu? O garoto esperto logo falou: Olha Sr. Remigio, a agente demorou tanto e esquentamos tanto a cabeça procurando a borracharia, que a gente nem se lembra qual foi. Mas fica tranqüilo que fizemos a força direitinho. Sr. Remigio completou: Certo, então vamos ali comigo que preciso fazer um negócio. Prontamente entregam no carro, certos de que tinham dobrado o Sr. Remigio. Sr. Remigio que de bobo nunca teve nada, foi direto para uma borracharia, desceu e falou para o borracheiro: Moço, tira os quatro pneus desse carro e descubra qual câmara de ar teve um furo, tira e bota uma nova. Não gosto de andar no asfalto com câmaras remendadas. Quando o Sr. Remigio olhou para os lados, os meninos tinham desaparecido. O Sr. Remigio nunca mais viu aqueles garotos e nem o borracheiro precisou procurar pela câmera com o furo.  O furo foi dos meninos.
AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

2 Comentários

  • 27 fev 2012 | Permalink |

    Que saudade de Condeúba com suas estórias, do Sr. Remigio então, a saudade é maior.

  • 26 nov 2012 | Permalink |

    Amigo, você escreve como os melhores cronistas brasileiros. Parabéns e obrigado pelos textos.

    “O comentário não representa a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem”

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.