Vereador Normando Brito – Série Prestação de Contas

banner-prestacao-de-contas
normando-britoNo primeiro período legislativo como Presidente da Comissão de Finanças Orçamento e Contas, emitimos pareceres favoráveis a todos os projetos de leis enviados pelo Executivo Municipal, opinando favoravelmente pela aprovação de todos os projetos de interesse da população condeubense. Também durante este período, cobrei incansavelmente do Executivo Municipal nas seções plenárias, as deficiências da administração nas áreas de saúde, educação, e infra – estrutura, áreas essas menos atendidas satisfatoriamente ao povo condeubense. Cobramos também a publicação dos anexos do Estatuto e Plano de Carreira do Município, para legalização, regularização e atualização aos vencimentos dos profissionais da educação de Condeúba. Venho fiscalizando mensalmente, no TCM (Tribunal de Contas do Município), as contas mensais do Executivo e Legislativo, quanto à legalidade e moralidade dos recursos municipais.

Continuo com o meu trabalho social aos munícipes, disponibilizando veículos para urgências e emergências, ônibus e caçambas ao povo nas suas necessidades rurais e urbanas. Trabalho auxiliando as pessoas, de pouco conhecimento ao acesso a órgãos que depende de um maior esclarecimento, para que seus problemas possam ser solucionados como: bancos, sindicatos, previdência, delegacia, fórum etc, e até mesmo à Caixa Econômica, Banco do Nordeste, SAC, Receita Federal, Hospitais e Clínicas em Vitória da Conquista, em que muitas vezes podemos observar que vários cidadãos, caso não estejam acompanhados, não conseguem solucionar os seus problemas e até mesmo o retorno para casa por falta de conhecimento e falta de convívio com a cidade mais desenvolvida.

Como legislador, solicitei várias necessidades pelas quais nosso povo está passando, como o mau atendimento, no hospital, pronto-socorro, PSF. Na verdade tudo começa a voltar como antes, em que fichas médicas estão no bolso de políticos e apadrinhados e não nos locais onde o médico está para atender. No PSF do Distrito do Alegre, quando o cidadão adoece, tem que ir a procura de um Agente de Saúde, do Alegre, da Cabeçeira do Alegre, da Mandaçaia ou do Tamburil, para saber se pode ou não ser consultado e quando. O correto seria procurar o atendimento médico no PSF, Hospital ou Pronto-Socorro e não Agente de Saúde.

Em 1997, foi disponibilizado uma ambulância, que o Executivo mantinha para atendimento a população até 31/12/2012, mas na atual administração este serviço tão importante para a população até o presente momento não está disponível para o Distrito do Alegre e região.

Finalizando, quero parabenizar a equipe do ddez em nome de Décio, por nos oferecer esta oportunidade de divulgar e publicar o nosso trabalho para os munícipes, levando assim ao conhecimento de todos os trabalhos por nós realizados.

Distrito do Alegre, 10 de julho de 2013.

Atenciosamente,
Normando Pereira de Brito

VEREADOR






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

UM Comentário

  • José Carlos
    16 jul 2013 | Permalink |

    Eu pude ver, como na prestação de contas de vários vereadores, cita aumento de salários para professores; ou algum projeto de lei, eu não entendo é pra que criar leis que não serão cumpridas. Caros vereadores condeubense! Nosso salário legal, já é maior do que aquilo que recebemos! A grande maioria dos professores do ultimo concurso que são de nível II, recebem um salário mínimo, R$ 622,00 descontado os 8% da previdência. Legalmente, e segundo uma lei municipal que vocês mesmo aprovaram, desde de 2008, ainda que vergonhoso, estes professores deveriam estar recebendo R$ 779,70; também descontado os 8% da presidência, ou seja, cada um desses profissionais perdem legalmente um valor de R$ 157,70 todo mês, além disso, existem no município, professores credenciados como nível 1 e que na verdade são de nível 2, cada um deles perdeu apenas neste ano R$ 946,20, e isso vem acontecendo desde 2009. Todos eles sabem disso! E esses prejuízos não são só dos professores que citei com exemplo, todos os demais passam por isso; no meu caso, especifico, eu fiz os cálculos, baseado na Lei municipal 766 de 24 de abril de 2008, e todo mês, estou perdendo R$ 343,24, já´descontado a taxa previdenciária, nove por cento. Tomara que leis desse tipo só fiquem no projeto!

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.