Futebol: Condeúba amanheceu atordoada, com a desclassificação

Por: Décio Pereira

fim do jogo condeuba x candido sales

Final do jogo ontem. Foto: Ddez

Foi apenas mais uma partida de futebol, como tantas mundo afora, como muitas que aconteceram ontem, no futebol do mundo inteiro. A diferença está nas torcidas das equipes que perderam. A torcida de Condeúba é diferente, ela ama, ela se envolve, ela vai ao estádio, ela grita, faz barulho e solta foguetes. Ela ri e por consequência, chora. Ela se encanta, ela fica feliz e, quando ocorre uma derrota, sofre.

Hoje acordei muito cedo, 6h, precisava trabalhar pois a vida não para Eu até queria que tivesse parado naquela cabeçada de Caio, pois se repetir o lance três vezes, aquela bola vai acabar entrando.

Fui para o trabalho e cada pessoa que encontrava, lamentava a nossa má sorte. Parecia o pós jogo, quando o Brasil perdeu para a Itália na Copa de 1982. A tristeza estava estampada no rosto da nossa torcida e a voz daqueles que empurravam nossa seleção estava diferente, estava rouca como todas as segundas em que a seleção de Condeúba jogou domingo, mas além de roucas, estavam tristes.

Encontrei o nosso valente Prof. Bem, nosso comandante e ele me confessou: “Não dormi nada. Cada lance tá vivo na minha mente e eu ainda não consigo acreditar.”

Encontrei Chico Lima da Rádio Liberdade FM, vestido com a nossa camisa laranja, o nosso manto sagrado.

“Que torcida é essa meu irmão! O time perde e ela amanhece vestida com suas cores. Chora, entristece, lamenta…mas tem um baita orgulho em ser um torcedor da seleção de Condeúba.

Uma torcida que foi ao vestiário do time, dizer: “estamos juntos. Vocês são guerreiros. Obrigado Seleção.”

O certo é que Condeúba amanheceu atordoada. A confiança no time era muito grande. O time dava ao torcedor a certeza da Vitória, com suas atuações e com a dedicação jamais vista em nossa cidade, de um elenco acima da média.

João da Seleção chorou, não dormiu e nem sabe que dia vai dormir. Ele me disse que não importa, ele quer saber que dia tem treino da seleção, ele quer rever os seus amigos, como ele diz: “Os parças”.

“…me diz agora o que faço, nas tardes de domingo, sem jogo da minha seleção. O que farei sem aqueles guerreiros, vestidos com armaduras laranjas, e que enchiam minha vida de emoção…”

Porém, os deuses do futebol falam outra língua e às vezes são ingratos com alguns times. Ontem foi a nossa vez de provar o gosto amargo da derrota.






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

UM Comentário

  • julio cesar
    17 fev 2016 | Permalink |

    É parece que o tão falado grupo da morte não era o de condeúba, mas sim o de Belo campo, Tremedal, Cândido Sales e Piripá. Pois dos quatro, três estão nas semi finais da copa.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.