Aplicativos viram aliados na luta contra o mosquito Aedes

zika-zika-zero

Jogos e aplicativos gratuitos foram lançados  e orientam a população para o combate ao mosquito Aedes aegypti. O objetivo é reduzir os focos de criação do mosquito transmissor da zika.

A universidade Estácio lançou um minigame que pode ser acessado gratuitamente do computador. Ao mesmo tempo que diverte, ensina onde ficam os criadouros do mosquito e o que fazer para exterminá-los.

No Zika Zero, o internauta encontra latas de lixo abertas, pneus abandonados encharcados, potes de água sem tampa, dentre outras situações que facilitam a procriação do mosquito Aedes aegypti.

“O game está disponível desde o início de março e já tem 2.000 usuários. O intuito é educar de forma lúdica por meio de ações, cenários e contextos para gerar mais compreensão sobre o tema”, disse Roberto Paes, diretor de Suporte e Ensino da Estácio.

O jogador deve mapear tudo que permite que o mosquito se desenvolva e identificar no menor tempo possível esses focos, além de matar mosquitos que aparecem no ambiente do jogo virtual.

O  game  está disponível  por tempo indeterminado, gratuitamente na internet.

Com tantos boatos e pouco conhecimento sobre a doença, foi lançado também, no último dia 17, um aplicativo gratuito disponível para Android e IOS, Zika vírus – Minha Vida, pelo portal de saúde Minha Vida.

O intuito é levar informações sobre as causas, sintomas e complicações não só do vírus zika, como também da dengue e da febre chikungunya.

Os usuários que o baixarem, receberão alertas com as últimas novidades sobre o tema, como descobertas científicas, riscos, complicações, principais focos da doença, ações de combate ao mosquito,  recomendações do Ministério da Saúde para gestantes e a população em geral, entre outras informações importantes.

“A nossa expectativa é gerar de 100 a 500 mil downloads e oferecer informação de qualidade”, contou o diretor de tecnologia do portal, Alexandre Tarifa.

Além disso, há o canal ‘Pergunte ao Especialista’ do app para tirar dúvidas básicas com médicos associados do portal. O link para download é www.redirapp.com/zika.

Pesquisa

Já a  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) lançou edital e vai disponibilizar recursos de cinco milhões de reais  para pesquisa em infecções virais emergentes e suas consequências.

O edital convoca pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior e/ou pesquisa e desenvolvimento do estado a apresentarem propostas para apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológicas sobre zika, chikungunya e dengue.

Os interessados tem prazo até o dia 01 de abril, às 17h para envio do formulário online contendo carta de intenções. As propostas submetidas em resposta ao edital deverão apresentar orçamento mínimo de R$ 500 mil e máximo de R$ 1 milhão e 500 mil.

O edital poderá ser ampliado com recursos financeiros de outros órgãos públicos, como o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Ministério da Saúde (MS) ou Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

Fonte: A Tarde






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.