Ciências sem Fronteiras: “foi um duro golpe na educação”, diz Waldenor Pereira à Rádio Câmara

A decisão de Michel Temer (PMDB) em pôr fim ao programa “Ciências sem Fronteiras”, ciado durante a gestão de Dilma Rousseff para incentivar pesquisas de estudantes brasileiros em universidades internacionais, tem causado muitas críticas ao governo federal, dentre elas, a do deputado federal Waldenor Pereira (PT-BA), membro da Comissão de Educação na Câmara, que afirmou ser esse “mais um duro golpe contra a educação do Brasil”. Em entrevista à rádio Câmara, o deputado comentou o episódio. “Portanto, eu considero que a extinção do programa Ciências sem Fronteira representa um duro golpe nas ciências do Brasil. Porque, na verdade, a possibilidade de os jovens brasileiros conhecerem universidades de outros países, na minha opinião, é fundamental para que as suas experiências possam se somar positivamente na melhoria da qualidade do ensino de graduação no Brasil e, especialmente, o incentivo para a nossa juventude participar das atividades de pesquisa que geram novos conhecimentos para o desenvolvimento do Brasil”, disse o parlamentar.

O deputado baiano não foi o único a tecer críticas à decisão do governo peemedebista. O Ex-ministro da Educação do governo Dilma, Aloizio Mercadante, lamentou a atitude do “governo golpista”, dizendo que “quando denunciamos que poriam fim ao Ciência Sem Fronteiras, falaram que só queríamos criar pânico nos estudantes. Agora, confirmam o desmonte do programa”.

Para ele, a extinção do programa vai impossibilitar que estudantes de baixa renda possam estudar novamente no exterior.

“Mais uma vez, a sociedade paga pelos retrocessos e desmandos na educação. Sofrem, principalmente, os mais pobres que, em razão da renda, dificilmente terão a oportunidade de estudar no exterior, como faziam com o suporte do Ciência Sem Fronteiras”, observou Mercadante.

Fonte: Blog do Anderson






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.