Matemática: ela está nas coisas mais simples da vida

Até quem detesta matemática sabe que os números estão aí para ajudar. ‘É a ciência que estuda padrões’, afirma o matemático Marcelo Viana.
Mais de 4,5 milhões de candidatos fizeram, no domingo (12), a segunda etapa das provas do Exame Nacional do Ensino Médio, questões de ciências exatas, como a matemática.
Ela tem fama de difícil e, por isso mesmo, talvez seja uma ciência injustiçada, vítima de muito preconceito, porque a matemática, tão temida pela complicação, está presente nas coisas mais simples da vida.
Você gosta de números? Não? Então vamos passar um dia sem eles.
Os problemas nascem junto com o Sol. Ele é o único ponteiro do nosso único relógio. Sem os números, o homem não inventou as horas.
Até quem detesta matemática já percebeu que, quando aparecem, os números estão aí para nos ajudar. Um, dois, três, é impossível fugir. Fazemos contas toda hora, todos os dias, às vezes sem perceber.
O goleiro vive calculando a bissetriz de um ângulo para fechar o gol. Já o atacante passa o jogo calculando o ângulo inscrito que permite o chute. Ainda bem que os números existem.
E, no mundo dos números, o Brasil tem um lugar de honra: o Impa, Instituto de Matemática Pura e Aplicada. Em meio à Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro, cientistas brasileiros e estrangeiros desenvolvem algumas das pesquisas mais avançadas da matemática.
O matemático Marcelo Viana é o diretor do Impa e aceitou o desafio: vai resolver o problema da nossa casa sem números.
Repórter: Marcelo, bem-vindo. Muito obrigado por ter vindo. Foi fácil chegar?
Marcelo Viana: Olha… Foi meio complicado, porque não tinha número.
Repórter: Isso é verdade.
E como é que um matemático começa a contar? Do mesmo jeito que a humanidade começou: com os dedos da mão.
“Nós temos dez dígitos. ‘Dígitos’ significa ‘dedo’, em latim, então nós temos dez dígitos de zero até nove exatamente, porque a gente tem dez dedos na mão. Se nós fôssemos alienígenas com 15 dedos, talvez estivéssemos representando os nossos números de outra forma”, explicou o matemático.
Foi Charles Darwin quem disse que a matemática é como um sexto sentido: com ela, enxergamos um mundo que antes parecia não existir.
charles
“A matemática é uma grande amiga. Sem dúvida”, afirmou o matemático Marcelo.
É a maneira que os homens encontraram para ler o projeto do universo. Os objetos e a natureza mandam mensagens o tempo todo.
“Você olha plantas, você não vê folhas todas alinhadinhas uma por cima da outra. Isso seria ruim para eficácia da planta, porque a folha de cima faria sombra. Como é que elas fazem? Elas se organizam em uma estrutura em que a folha que está abaixo está um pouco rodada, um pouco descolocada, em relação à de cima. E o modo como essa rotação acontece, essa organização, está governada, está determinada por uma sequência de números que é famosa na matemática, que é a sequência: um, um, dois, três, cinco, oito, 13, 21, 34. Cada número é a soma dos dois anteriores. É isso que caracteriza a sequência de Fibonacci”, explicou o matemático.
Repórter: Essa plantinha sabe matemática?
Marcelo Viana: Essa plantinha sabe muita matemática.
Forma, estrutura, volume, tempo, movimento, espaço. Mesmo quem não gosta de fazer contas pode gostar muito de matemática.
“De fato é difícil dizer o que que é a matemática, resumir o que que é a matemática, mas se eu tivesse que resumir, eu diria que é a ciência que estuda padrões”, disse Marcelo Viana.
Ainda bem que é possível fazer matemática sem números, porque matemática com pizza é muito melhor: brota mais fácil o estalo do conhecimento.
Nosso professor é o Cristiano, um mestre dos sabores e também das formas, proporções, cálculos intuitivos, regras de três.
“Sinceramente eu não sabia que eu fazia tanta conta”, disse Cristiano.
“Viu só? Mais um que usa a matemática sem saber”, disse o matemático Marcelo Viana.
“Onze anos fazendo a mesma coisa. Quantas pizzas eu já não fiz”, disse o cozinheiro.
Diante de um matemático, uma pergunta como essa não fica sem resposta.
Marcelo: Você faz mais ou menos quantas pizzas por semana?
Cristiano: Uma média de umas 1.400.
Marcelo: 770 mil pizzas que você tem, Cristiano.
Cristiano: É pizza demais.
Marcelo: Caramba.
Cristiano: Não vejo a hora de chegar na pizza do milhão.
Marcelo: Quase lá.
Marcelo: Mais uns três, quatro aninhos você chega na pizza do milhão, você liga para mim, me convida eu venho comer essa aqui. 0800.
Nem é preciso ser matemático para gostar desse número. Mas vamos para mesa, onde outro problema nos espera. Como dividir três pizzas para dois? Lembra aquela história de que o matemático enxerga mais do que os outros?
Marcelo: Estou olhando aqui. Além das pizzas, eu enxergo um triângulo retângulo.
Aí está ele!
Marcelo: E você conhece o teorema de Pitágoras?
Repórter: A soma do quadrado dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa.
Marcelo: Em linguagem de pizza, o que isso significa é que o tamanho dessa pizza, que está em um cateto, mais o tamanho daquela pizza, que está no outro cateto, é igual ao tamanho daquela pizza que é a pizza da hipotenusa.
Repórter: Viva Pitágoras!
Marcelo: Viva Pitágoras!
Quem prefere simplesmente cortar a pizza em oito pedaços também faz matemática, fabricando frações.
Marcelo: Isso é um oitavo. Aposto que você nunca imaginou que uma fração como um oitavo fosse tão cheirosa e tão saborosa.
Repórter: É verdade.
Marcelo: Bom apetite, Bassan.
Repórter: Bom apetite. Boa fração.
Ah, quem dividiu a conta foi ele e eu nem conferi.

 

Fonte:  http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/11/assustadora-ela-esta-nas-coisas-mais-simples-da-vida-matematica.html






Valdivino Sousa

Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Contador, Bacharel em Direito e Escritor. Pesquisador sobre Engenharia Didática em Matemática; Modelagem; Construção do Conhecimento em Matemática; Modelos Matemáticos e suas Aplicações. Site: http://www.valdivinosousa.mat.br
AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.