Prejuízo da seca chega a R$ 4,6 bi em 2012, aponta Federação na Bahia

A Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB) divulgou, na manhã desta terça-feira (28), números referentes a perdas no setor agropecuário em decorrência da estiagem no ano de 2012, no estado. De acordo com o levantamento do órgão, o total das perdas chegou a R$ 4,6 bilhões no ano passado, entre os setores da pecuária, grãos, fruticultura e outras lavouras. De acordo com o órgão, os prejuízos acumulados no ano passado influenciaram na queda de mais de 9% registrada no PIB agrícola do estado. "O semiárido foi a região mais atingida pela seca, mas também teve repercussão no oeste da Bahia, no extremo sul, e até na região do cacau. Nós acreditamos que em menos de cinco anos não começaremos a ver o efeito da recuperação. Se tudo correr bem, se não tivermos outra grande seca, a recuperação se fará entre cinco e dez anos", afirmou, em entrevista coletiva, o presidente da Federação, João Martins. No setor da pecuária, de acordo com a FAEB, a seca representou um prejuízo de R$ 1,1 bilhão no estado - entre bovinos (R$ 640 milhões), caprinos (109,6 milhões) e produção de leite (352,8 milhões). "Alguns laticínios tiveram que fechar as portas", afirma Martins sobre os efeitos. Os dados, ressalta a FAEB, são estimativas que se propõem a retratar a realidade vivenciada por produtores e população dos municípios atingidos pela falta de chuva. No setor de grãos, o prejuízo chegou a R$ 1,5 bilhão, conforme os dados da FAEB: algodão (R$ 308 milhões); café (R$ 544 milhões); feijão (R$ 357,5 milhões); milho (R$ 230,8 milhões); soja (R$ 106,1 milhões). Na fruticultura, o prejuízo estimado chega a R$ 1,5 bilhão: abacaxi (R$ 80 milhões); banana (R$ 535 milhões); laranja (R$ 174 milhões); manga (R$ 477 milhões); maracujá (R$ 72 milhões); uva (R$ 200 milhões). "A cultura que teve a perda mais expressiva foi a fruticultura, por incrível que pareça. A fruticultura é irrigável - principalmente a de uva -, mas o estresse causado pelo calor e insolação fez com que houvesse um aborto das flores da uva, reduzindo a produção e ocasionando perda na qualidade. Fora isso, tivemos perda de 70% no abacaxi", ressalta Martins. Em outras lavouras, os dados da Federação apontam prejuízo de R$ 64 milhões na produção de batata; R$ 57,7 na mamona; R$ 133,5 milhões na mandioca; e R$ 181,5 na produção de sisal. "Para 2013, as expectativas só podem ser feitas depois das chuvas de novembro", aponta João Martins. Fonte: G1
AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.