Apenas dois de 52 jogos do Brasileirão Feminino não deram prejuízo

jogo25_brasileirao_caixa_tiradentes_ferroviaria

Na última quarta-feira (6), as equipes femininas do Corinthians e Flamengo entraram em campo para se enfrentarem pela primeira vez na história do futebol feminino. Com chances de classificação para as semifinais, os times fizeram um bom jogo. Havia quase todos os ingredientes para um verdadeiro clássico, menos um. Mesmo com os ingressos gratuitos, a torcida mais uma vez não compareceu em massa.

Infelizmente, o crescimento do futebol feminino no país não tem sido suficiente para empolgar os torcedores. De acordo com dados de boletins financeiros da CBF e informações de clubes, apenas dois dos 52 jogos até o momento (40 na primeira fase e 12 na segunda) conseguiram pagar os custos operacionais (como arbitragem, ambulância, policiamento, taxas, entre outros) com a renda de bilheteria: as partidas do Iranduba contra o Santos e Corinthians.

brasileirao_feminino_1

O prejuízo por parte das equipes não é maior porque a Caixa Econômica Federal, por meio da Sports Promotion (empresa organizadora do campeonato), paga R$ 7 mil para os mandantes dos jogos cobrirem custos operacionais dos jogos. De acordo com a Sports Promotion, a manutenção do campeonato depende do banco: “A Caixa é o patrocinador máster, por tanto dependemos dele”, aponta a empresa.

Já sabendo que o público dos jogos do feminino é pequeno, a grande maioria dos times abrem os portões e não cobram ingressos para as partidas. De acordo com o levantamento do Portal EBC, 13 dos 20 times do campeonato não cobram ingressos para os jogos e seis cobram R$ 1 e R$ 10 (não conseguimos os dados em relação ao Pinheirense).

Um dos times que abriram os portões neste ano foi o Tiradentes. De acordo com o presidente do time, Major Canuto, a opção se deu por conta da falta de organização da CBF. “A regra que privilegia equipes de camisa a entrar no campeonato nos prejudicou. Soubemos que participaríamos do Brasileirão apenas 12 dias antes da competição. Aí não deu tempo nem de cobrar os ingressos para estreia. Como perdemos para o Iranduba no 1º jogo, nem cobramos a outra partida”, afirma.

Canuto reitera que a falta de dinheiro da bilheteria fez falta ao time. “No ano passado, quando chegamos às semifinais do campeonato, conseguimos 927 pagantes no jogo contra o São José. Isso nos auxiliou até a dar um prêmio para as jogadoras. Se tivéssemos ido à final, o time para o campeonato deste ano já estaria pago”, aponta.

Organização, mídia e investimento podem trazer público

O caso do Tiradentes aponta para algo básico que deveria ser feito para angariar público para os jogos do campeonato: organização. Em 2015, o time conseguiu se organizar e ficar forte para a competição. Os bons resultados chamaram atenção da mídia local, que divulgou a equipe para o público de Teresina, que foram aos jogos. Em 2016, o time não teve tempo de ser montado e foi mal no campeonato. Logo, não teve como sequer cobrar por ingressos.

Nesta edição, o Iranduba tem sido o exemplo de um caminho que pode ser seguido. No início deste ano, o time investiu e contratou 15 jogadoras (a maioria do Kindermann, time que acabou no final do ano passado). A mídia local abraço o time e o público (sem muitos jogos de elite no Amazonas) foi em maior número para os estádios.

De acordo com a jornalista Lu Castro, do blog Futebol Para Meninas, o aumento de público perpassa por uma mudança sistêmica na organização do futebol feminino. “Clubes poderiam investir na comunicação com uma assessoria de imprensa, por exemplo. Seria mais fácil de pautar a mídia. A organizadora também deveria criar mecanismos para chamar os torcedores ao estádio. No momento, a atuação é nula”, afirma.

Ela também aponta que a empresa organizadora do campeonato poderia criar formas de chamar o público aos estádios como promoções. Lu relembra que o São José conseguiu, em 2011, levar o público ao estádio após a cidade “abraçar” o time. “Eu lembro que em 2011, o São José conseguiu colocar 11 mil pessoas no estádio na final da Libertadores. Na época foi feita uma boa divulgação do jogo”, relembra.

Eles e elas falam: como levar o público aos jogos do futebol feminino?

“Primeiro, os clubes precisariam se organizar. Um caminho é criar uma assessoria de imprensa para se divulgar. Eu, que cubro futebol feminino, recebo notícias apenas do São José e do Corinthians/Osasco Audax. Aí fica difícil ter conteúdo”, Lu Castro, jornalista do Blog Futebol para Meninas.

“A CBF deveria dar mais tempo para os clubes se organizarem. Ano passado, tivemos um time bom e chegamos a faturar R$ 9 mil em um jogo. Este ano, chamaram a nossa equipe faltando 12 dias para o início do campeonato. O time foi mal e não conseguimos nem cobrar ingressos”, Major Canuto, presidente do Tiradentes (PI).

“A mídia tem um papel preponderante para o torcedor ir aos estádios. Este ano, a mídia do Amazonas tem feito um trabalho ótimo e tem sido parceira na missão de levar as torcidas para o estádio”, Olavo Dantas, coordenador técnico do Iranduba (AM).

Fonte: EBC






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.