Condeúba: Arqueólogos do IPHAN visitam praça onde foram encontradas ossadas humanas

Por: Dermeval Filho

Técnicos buscam respostas para a descoberta acidental e parecer técnico deverá ser emitido nos próximos dias

tecnicos iphan vistisa praca condeuba (1)

Técnicos do IPHAM-BA (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) visitaram as obras de reforma e revitalização da Praça Santo Antônio, em Condeúba, na última quinta-feira, 18, para conhecimento e análise das ossadas humanas encontradas por operários durante as intervenções da obra. Atendendo a uma solicitação da Administração Municipal, Igreja Católica e moradores do entorno da Praça, os arqueólogos do IPHAN buscam nessa primeira visita, respostas para a origem dos restos mortais, de maneira que possa se pronunciar tecnicamente a respeito.

tecnicos iphan vistisa praca condeuba (3)

Perguntados sobre a descoberta ocorrida em Condeúba, os técnicos do Instituto Nacional informaram ser precoce uma análise mais aprofundada nesse primeiro momento. “Essa primeira visita serve para conhecermos o contexto histórico do lugar, entender as circunstâncias em que foram encontradas e a partir de dados obtidos, juntamente com as informações de outras fontes, é que emitiremos relatórios aos nossos supervisores. Só depois é que será apresentado parecer técnico definitivo. No momento, o que podemos adiantar é que, não é necessário alterar o projeto de reforma, tampouco o andamento da obra, já que as escavações chegaram ao seu objetivo sem danificar as ossadas”, completou um dos arqueólogos do IPHAN.

tecnicos iphan vistisa praca condeuba (2)

Especialistas consultados informaram que situações como a identificada em Condeúba são mais comuns do que se imagina. Até a primeira metade do século XIX os sepultamentos nem sempre tiveram como destino os cemitérios, época em que as tradições fúnebres variavam. Só a partir da segunda parte do século XIX, herdou-se dos europeus essa prática.






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

3 Comentários

  • Agnerio Evangelista
    20 ago 2016 | Permalink |

    Espero que os arqueólogos tenham o livro: “Condeúba,sua história, seu povo”, a fim de conhecer um pouco a história de nosso povo. Penso que os ossos são de escravos que eram sepultados fora do templo.

  • Dermeval
    23 ago 2016 | Permalink |

    De acordo com os arqueólogos, escravos não eram sepultados próximos às igrejas ( naquela época escravos eram considerados praticamente uma casta inferior, inclusive para a igreja). O sepultamento dentro de igrejas ou ao redor era comum até a 1ª metade do século XIX, pois não haviam cemitérios e esse ritual cumpria importantes funções simbólicas, já que se acreditava que o destino da alma era diretamente ligado ao local do sepultamento. Já na segunda metade, por influência dos europeus, isso passou a ser uma exigência. Ainda segundo esses técnicos, descobertas como essas não são incomuns.

  • Joandina Maria de Carvalho
    24 ago 2016 | Permalink |

    Essa realidade em Condeúba demonstra que a cidade é antiga e com uma história que precisa ser melhor conhecida. Sugeri que se formasse uma comissão para acompanhar o processo e não entendo porque essa questão tem sido tratada de maneira misteriosa sem envolver pessoas que se interessam pelo tema. Para alguns, tratam-se de ossos do ofício.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.