Conquista: Análise dos 100 primeiros dias do governo Herzem Gusmão

Sem ter se desvinculado do discurso político radiofônico – com o qual angariou eleitores no palanque eletrônico da Resenha Geral, o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (PMDB) chega aos primeiros 100 dias de governo sem muito que comemorar.

Pelo contrário, as críticas ácidas à sua gestão mais parecem extraídas da dialética socrática, com parte do eleitorado e adversários tentando fazê-lo provar que estava certo ao criticar os longos anos de gestão petista no terceiro maior município da Bahia.

As perdas políticas contabilizadas nesses três meses e 10 dias começam com o desastrado, inoportuno e, até então não explicado, fechamento da rotatória do Hospital Samur, seguido do efeito bumerangue no embarque e desembarque de passageiros intermunicipais na Rua do Gancho, passando pela policialesca destruição de barracos na Maravilhosinha e Lagoa das Flores.

Resumindo: um governo de dois pesos e duas medidas. Uma gestão que não teme agir na calada da madrugada contra pessoas carentes na suposta invasão da Serra do Periperi, mas que se curva diante do poderio econômico do “seo” Edgar da Viação Novo Horizonte, que não respeita a portaria do Gancho.

E assim segue o barco sem leme. Por ora, navegando nas infrutíferas de ameaças de processos contra radialistas e jornalistas (a própria classe do prefeito-locutor), na insatisfação interna de secretários e demais colaboradores nomeados – pela centralização de poder – e se esbarra na falta de comunicação com os mesmos professores que apoiaram o então candidato Herzem em campanha.

Os planos mirabolantes que conquistaram eleitores têm de ser deixados na gaveta, porque não cabem nas contas impactadas pela recessão que se iniciou há dois anos.

É sabido que poucas cidades, a exemplo de Conquista, escaparam da crise em condições de oferecer folga fiscal aos prefeitos eleitos. E triste do prefeito eleito que entender que este dinheiro que restou possa ser gasto sem responsabilidade.

O prefeito eleito não pode alegar desconhecimento de causa. O problema nas contas públicas vem sendo alardeado há pelo menos dois anos.

Portanto, se temia falar em cortes ou controle de gastos na campanha, para não perder a eleição, espera-se que, a partir de agora, seja honestos em assumir a tarefa de administrar com equilíbrio e sensatez as contas do município.

Falta de honestidade e contas descontroladas cobram um preço alto demais do cidadão. E dos políticos, também, como mostra a história bem recente do país.

Um governo que se notabiliza pejorativamente por rótulos, como o tal “bumerangue”, enfrenta desde logo um imperioso desafio de desmistificar essa pecha. Não será tarefa fácil, pois aí está o “seo” Julival da Kombi e a barraquinha de passagens para simbolizar o desonroso troféu do “faz e desfaz” da Prefeitura.

Fonte: Sudoeste Digital






AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo . Você também pode assinar estes comentários via RSS.

Seu email não será divulgado. Os campos que estão * são obrigatórios.